As horas de Katharina (1994)

São Paulo: Companhia das Letras, 1994

215 páginas

Escrito entre 1971 a 1993.

Em 2010, seria reeditado postumamente com introdução e notas e a peça inédita A Andorinha, ou: A cilada de Deus.

– 37º Prêmio Jabuti de Poesia de 1995

Conteúdo

  • Responsabilidades e Correspondências

AS HORAS DE KATHARINA

Primeira parte: Os longos vazios (1880-1909)

  • 1. O adeus
  • 2. Noturno
  • 3. Solilóquios
  • 4. Via crucis
  • 5. Metáforas
  • 6. Pavana sem luxúria
  • 7. O anjo anunciador
  • 8. A donzela
  • 9. À imaculada
  • 10. O embrulhinho
  • 11. Silêncios
  • 12. A Lázaro
  • 13. Medéia
  • 14. Aux diables!
  • 15. Corredores
  • 16. Valse oubliee
  • 17. O lagarto
  • 18. Estreitezas
  • 19. Vade retro
  • 20. Romanza
  • 21. O pátio
  • 22. O velho relógio
  • 23. Herodíade
  • 24. Salomé
  • 25. Myrian-Maria
  • 26. Salgueiros
  • 27. Mechancete
  • 28. Dommage
  • 29. Talvez
  • 30. A ratoeira
  • 31. Outra prisão
  • 32. Outra ainda
  • 33. A mais segura
  • 34. E a ratoeirazinha
  • 35. Somewhere, somehow
  • 36. Badulaques
  • 37. As horas de Katharina
  • 38. Noli me tangere
  • 39. Da canção
  • 40. O beijo
  • 41. Anfechtung
  • 42. Lamentos da descida da cruz
  • 43. Estrela-do-mar
  • 44. Miserere
  • 45. Pourquoi pas?
  • 46. Em plena vida
  • 47. O camafeu desfeito
  • 48. De como se desfez
  • 49. A lupa
  • 50. Missa de sétimo dia
  • 51. Canção de cadafalso
  • 52. Septuagesima
  • 53. Penélope
  • 54. As luas
  • 55. O Espelho
  • 56. O gavião
  • 57. Meu auto-da-fé
  • 58. Ars poetica?
  • 59. Teologias
  • 60. Os remorsos
  • 61. Blutvergiftung
  • 62. A fogueira
  • 63. Outro auto-da-fé
  • 64. Semelhanças
  • 65. Le revenant
  • 66. A carta começada
  • 67. A estrela-d’alva
  • 68. O grito
  • 69. La blanchisseuse
  • 70. Os cabides
  • 71. Post-scriptum
  • 72. O desmaio
  • 73. In extremis
  • 74. Um dom dado de graça
  • 75. Vinheta final
  • 76. Os rascunhos e a túnica
  • 77. A visitante
  • 78. Reflexos
  • 79. À aniversariante
  • 80. Wiedergekommen
  • 81. Correntemente
  • 82. Nackt wie gott sie schuf
  • 83. In die illa
  • 84. O último temor
  • 85. O relâmpago
  • 86. Velhos papéis
  • 87. A andorinha

Interlúdio: O castelo interior (1903-7)

  • 88. Como um diamante, um quartzo de cristal…
  • 89. Segundo a santa é o corpo o habitante…
  • 90. E é assim que os sentidos vão chegando, …
  • 91. Porque se fácil fora abandoná-lo, …
  • 92. Mesmo assim, se alcançado, cada andar…
  • 93. Mas se o exilado persevera e vence…
  • 94. E o peregrino aos poucos arremeda…
  • 95. Mas a recém-nascida borboleta…
  • 96. “Ai de mim!”, geme a alma, “que me muero…
  • 97. E a mais sutil noção do mal espera…
  • 98. Mas enfim habitado e habitante…
  • 99. Teresa fala da metamorfose…
  • 100. Difícil escutá-la e não segui-la…
  • 101. Tudo aqui embaixo quer o que ela quis. …
  • 102. Durar no alto, arder, andar na altura…
  • 103. Se bem que o ser, seu breve malmequer…
  • 104. O ser não quer morrer; o ser elástico…
  • 105. Celebrar este mundo adivinhando…
  • 106. Teresa encarcerada em seu castelo, …
  • 107. Teresa e a limpidez da fortaleza. …
  • 108. Não saberei, Senhor, se era possível…
  • 109. Não permitas, Senhor, que a minha carne…

Última parte: No carmim da tarde (1909-27)

  • 110. No carmim da tarde
  • 111. A vida boa
  • 112. Calmaria
  • 113. Civitas dei
  • 114. Entdeckung
  • 115. Dois olhos mansos
  • 116. Passage a niveau
  • 117. Saint-Louis de Monfort
  • 118. Recluse atte norwyche
  • 119. Vaga-lumes
  • 120. O duo doloroso
  • 121. A lição
  • 122. Extraído a uma carta
  • 123. A cesta de luz
  • 124. O bicho-papão
  • 125. Crenças
  • 126. O amador de serpentes
  • 127. Dualidades
  • 128. Belém
  • 129. O padrasto
  • 130. A única
  • 131. A outra
  • 132. O sumiço
  • 133. Pedro
  • 134. O convocado
  • 135. O rebanho
  • 136. Domingo de ramos
  • 137. No horto
  • 138. O beijo
  • 139. A Verônica
  • 140. Inri
  • 141. O bom ladrão
  • 142. O segredo
  • 143. Cantarão os ossos
  • 144. Noli me tangere
  • 145. O abismo
  • 146. Edelweiss
  • 147. Sopro
  • 148. A noite (quase) escura
  • 149. Após releitura d'”O Castelo Interior”
  • 150. Leveza
  • 151. A pé
  • 152. A flauta
  • 153. Reincidências
  • 154. Commiato
  • 155. A subversiva
  • 156. O xarope
  • 157. Cochichos
  • 158. O invisível
  • 159. O infinito
  • 160. A inesperada
  • 161. Debates
  • 162. A truta
  • 163. A prece
  • 164. Sonolência
  • 165. À janela
  • 166. A Deus

Discuta este texto!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s