A Balada do Cárcere: Edição comentada (reedição: 2016)

balada2

Rio de Janeiro: Record, 2016

224 páginas

Reedição póstuma de A Balada do Cárcere com apresentação de Érico Nogueira e notas e organização de Juliana P. Perez, Jessé de Almeida Primo, Guilherme Malzoni Rabello, Renato José de Moraes e Martim Vasques da Cunha

– Prêmio Cruz e Souza de Poesia de 1995
– Prêmio Abgar Renault da Academia Brasileira de Letras de 1997

Conteúdo

Apresentação

  • Apresentação, pelos organizadores
  • Escrito nas estrelas, por Érico Nogueira

Prefácio

  • Da quod jubes, Domine

Primeira Parte: O NUMEROPATA (Fala o Narrador)

  • Um prelúdio
  • O pavão
  • A gralha
  • O numeropata
  • A rolha
  • A teia
  • O malentendido
  • Descobertas
  • O que eu por fim lhe disse
  • E cantei-lhe este acalanto

Segunda Parte: OS DELÍRIOS NA CELA (Fala o Minotauro)

  • O narrador
  • O monstrengo
  • O último acalanto
  • O espectro da rosa
  • O espírito da letra
  • A queda
  • Perfeição, imperfeição
  • No labirinto
  • O cisne
  • A corça
  • Epitalâmio
  • Il sospiroso
  • Legado de Ácteon
  • Impasse
  • Medusa enamorada
  • Mas quem sabe…
  • Remorsos
  • Eros a Psiquê
  • Vesperal
  • A última cotovia
  • Trompe l’oeil
  • Instabilidade
  • O pórtico
  • As enamoradas
  • Ariadne em Naxos
  • O diálogo da alma e do desejo
  • O gnomo
  • A moldura vazia
  • O reflexo e a imagem
  • Ímpar
  • O pomar à tarde

Finale: O NARRADOR EPILOGA

  • A paixão segundo nós mesmos
  • A vida toda de costas

Apêndice

  • DJ & déjà vu
  • As jóias e as cartas de amor
Anúncios